Era uma bela história: Menino conhece menina, menino se apaixona por menina, menina larga do menino que fica carente e implora por sua volta. E é com a expectativa e o ardor de um coração partido que Michael Jackson interpretou Maria (You Were The Only One).

Pouco depois disso, no reino tão tão fabuloso de Aguitown, a Rainha Christina Maria Baby Jane Madame X’tina Aguilera nascia. Mal sabia que seguiria os mesmos passos do Rei de Neverland, em busca da verdade que salvaria Maria.

Ela, ainda jovem e inocente, caiu nas mãos do Duque, eleito primeiro ministro e vilmente apresentado como aquele que realiza sonhos e fantasias. Sem conhecer que, dessa forma, seria obrigada a deixar Maria para trás e assumir uma nova identidade. Mas ao mesmo tempo, se acostumando às suas próprias mentiras reconfortantes, se deixou envolver pelo sedutor mundo da facilidade.

Nesse momento de sua vida, envolta em meio a toda ilusão de fumaça e espelhos, ela acreditava estar trabalhando em algo maravilhoso; um projeto cheio de luz e esperança por um futuro brilhante. Mas nada poderia calar aquele questionamento que constantemente povoava sua mente: “Por que, mesmo sendo Rainha, me sinto escrava? Não dá mais!”

Então, em um lampejo de sobriedade e epifania nasceu The Voice Within. Sábia e inconsciente, ela escreveu uma música que, mais tarde, guiaria seus passos rumo à luz da libertação. E ao buscar a verdadeira Rainha que foi reprimida e presa na torre mais alta e inacessível de todo o reino, descobriu que sua jornada de volta às raízes seria difícil. E tudo aquilo a lembrava constantemente os momentos bons e ruins. Aquela voz que nasceu então não poderia ser calada jamais.

Mas se viu acorrentada de forma surreal, invisível e insensível. E para se livrar dessas correntes ela teria que escolher entre o certo e o duvidoso. Tendo as palavras de Maria em sua memória e os questionamentos em seu coração, a princesa decide se rebelar contra o sistema que impede Rainha de ser Reinante.

Ela se despe de toda vaidade, rompe com o, agora raivoso, Duque e sai em busca de sua voz perdida, de sua força reprimida. Disposta a pagar o que for, até mesmo de queimar na fogueira, afinal de contas: “Maria não foi feita para andar na linha”. Desesperada, ela sai em sua jornada sem saber onde vai dar. Tendo como premissa única: contanto que continuasse a aprender, um dia ela descobriria o núcleo de toda a sua verdade.

Buscando entre ruas e ladeiras, picos e vales, floresta e cidade ela se depara com a entrada secreta para a torre. Por sua mente correm as palavras com excitação e euforia: “Chegou o momento”, ela dizia e repetia a cada passo escadas acima. Ao chegar no final da escadaria ela se depara com um salão vazio e apenas um objeto do outro lado ao longo da parede. “Seria o portal?” ela indaga a passos lentos e sorrateiros.

Devidamente emoldurado em ouro com detalhes em esmeralda e rubi se encontrava um espelho. O espelho mais brilhante e refletivo em todo o reino. Toda a sala fazia um só reflexo, mostrando cada detalhe como se fosse uma reprodução fiel, como um salão duplo com uma grande divisão forjada.

Mas ali algo estava ausente: o SEU reflexo. Sem entender, mas sentindo em seu interior que uma força estranha a contagiava. E, conforme o cheiro daquela infância vivida e sonhada tomava seu espírito e sentia o calor do aconchego tão familiar em seu peito aumentar, ela começa a repetir para si o seu mantra, as palavras que a trouxeram conforto por tanto tempo. Passo a passo ela repetia: romper, conquistar, não se entregar (“Break it, you’ll make it, just don´t forsake it”).

Enquanto essas palavras saíam de seus lábios, uma melodia brotou em suas cordas vocais. Em sua memória, jorravam os sonhos de quem outrora fora Maria. Sentindo-se estimulada por tudo aquilo que ela havia sofrido para chegar ali, Maria deixa de ser prisioneira.

O reino se vê livre desses anos de terror e desolação que assombravam todos aqueles que viviam na cidade. A rainha livre libertava seus súditos. Então, passado o pior momento, começou a restauração.

A Rainha decretou: De agora em diante o acesso ao espelho Liberation é obrigatório a todos aqueles que desejam e anseiam encontrar sua voz perdida, de quem uma vez foi separado de seu verdadeiro ser.

E todos viveram enfrentando seus problemas, rompendo paradigmas e atingindo novas conquistas para sempre.


Rainha Maria decretou obrigatório responder aos seus questionamentos reais transcritos aqui embaixo. O futuro é uma caixa de pandora pronta para ser aberta!

Perguntas:

  1. Nome completo:
  2. Nome de sua “Maria”:
  3. Qual a sua relação com a música Maria? Qual a sua história de libertação?
  4. O que a sua Voz Interna te disse ao longo dos anos até você encontrar com o Espelho Liberation?
  5. Qual o próximo passo para a sua Maria?

Responda nos comentários abaixo.

Texto escrito por Vinicius Ferraz Pessôa Farias, publicado no grupo Chá da Tarde Aguilera (Chat) no Facebook dia 03 de Julho de 2018.

1
Deixe um comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Gui Claudino Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Gui Claudino
Visitante
Gui Claudino

Caralho Parabéns q textao digno de uma rainha 😍👏👏👏💕