A revista digital PAPER, uma das principais fontes de notícias e matérias quentes sobre a nova era Liberation, da Christina Aguilera, foi atrás do produtor da música “Unless It’s With You“, Ricky Reed e conversou sobre o processo criativo da canção. A matéria foi escrita por Jael Goldfine e foi ao ar no dia 14 de Junho de 2018. Nós do CABR traduzimos livremente a matéria completa para o português e você pode conferi-la na íntegra logo abaixo:

“Ricky Reed co-escreveu a nova baladona no estilo Aretha Franklin para o novo álbum de Christina Aguilera”

O produtor e compositor Ricky Reed sabe exatamente o que fazer quando entra em estúdio com alguém como Christina Aguilera: ele senta, abre uma garrafa de vinho tinto e fala abertamente sobre seus sentimentos.

Essas “conversas de vinho, tarde da noite” deu vida a colaboração de Reed com a veterana rainha do pop, essa é uma faixa de encerramento oitavo álbum de estúdio de Aguilera Liberation: “Unless It’s With You“. As letras foram remendadas de fragmentos de suas conversas íntimas – que ocorreram poucos meses antes do casamento de Reed e durante o noivado de longa data de Aguilera com seu parceiro Matthew Rutler – sobre casamento, amor, desgosto, independência e os medos e êxtases do compromisso.

O resultado dessas noites? Uma poderosa balada influenciada pelo evangelho, no melhor estilo tipo ‘Aretha Franklin’ que mostra os vocais virtuosos e hercúleos de Aguilera em sua imensidão, enquanto se enrolam e navegam em suas reflexões, que começam com ambivalência e confusão, e terminam nas mais impressionantes propostas gentis, mas decisivas: “Eu não quero me casar / A não ser se for com você” A faixa, na qual a magnitude pura dos vocais de Aguilera desfaz qualquer indício de clichês, com certeza derrotará “Marry You“, de Bruno Mars, e “A Thousand Years“, de Christina Perri, como favorita de todos os casamento nos próximos anos.

Reed chama a épica canção de amor, que ele co-escreveu e produziu, de “sua música mais favorita de todas que ele já produziu”, citando sua honestidade e autenticidade.

Esta não é uma declaração pequena vinda de uma grande produção. Ele foi mais conhecido por redefinir o rádio pop com faixas como “Wiggle” de Jason Derulo e “Talk Dirty” feat. 2 Chainz, “BO $$” da Fifth Harmony, “Fireball” de Pitbull, e “No” de Meghan Trainor, o camaleão de estúdio escreveu e produziu sucessos para uma vasta gama de artistas – de princesas pop como Kesha, Halsey, Icona Pop e Jessie. J; enigmas eletrônicos como Phantogram e Galantis; pop-rockers de inclinação como 5 Seconds to Mars, Fitz e the Tantrums, e Twenty One Pilots; hip-hop upstarts como DRAM e Kevin Abstract; e grandes artistas de R & B como Leon Bridges e Lizzo.

PAPER sentou-se com Reed para conversar sobre como ele aborda uma voz como a de Christina, a pressão para entregar seu som característico e suas esperanças para “Unless It’s With You“:

Então conte-nos um pouco sobre o que podemos esperar de “Unless It’s With You“.

Nós dois escrevemos algumas músicas há alguns anos, Christina e eu. Principalmente com alguns dos meus colaboradores favoritos, Teddy Geiger e LunchMoney Lewis. E você sabe, nós estávamos fazendo muitas músicas diferentes que tocam com gêneros diferentes, vendo o que ficava muito bom com voz da Aguilera, que tipo de música era honesta e importante. Você sabe, enquanto estávamos passando por isso, eu comecei a pensar, igual todos fazem, que “Christina, ninguém pode cantar igual você!” As pessoas realmente gostam de ouvi-la cantar e se abrir, e como você sabe, ela cantou essa música.

O que é raro hoje em dia.

Exatamente. Então você sabe, eu estava noivo para me casar. Meu casamento foi alguns meses atrás. Eu estava, slash am, ainda descontroladamente apaixonado por, naquele momento, meu noivo, agora esposa. E Christina e eu estávamos conversando muito sobre casamento e sobre o que mantém um casamento, versus o que não acontece. Apenas tendo essas conversas; uma espécie de conversa de fim de noite, regada a vinho. Christina, eu mesmo, às vezes Teddy, às vezes Lunch.

Ela é uma pessoa tão fascinante, com uma visão de mundo e perspectiva tão interessantes. Ela teve uma vida tão interessante, poderíamos apenas ouvi-la falar, conversar e conversar. E ela nos contava histórias e começava a desvendar, à medida que nos tornávamos amigos mais íntimos, como são seus pensamentos sobre amor e casamento, à medida que nos envolvíamos. E eu literalmente apenas sentava e, discretamente com um bloco de anotações apenas escrevendo minhas coisas favoritas que ela estava dizendo enquanto conversávamos, você sabe, com toda aquela franqueza. E então eu apenas precisei reorganizar nossa conversa alguma ordem que fazia sentido para Christina, quando eu recitava de volta pra ela. Ela queria ir além e fazer com a alma – e foi assim que escrevemos os versos para essa música.

É principalmente palavras que ela estava falando em voz alta para nós sobre ter medo de dar esse passo, mas como ela daria esse passo se fosse a pessoa certa, e o tipo de conceito de coro que eu tinha desenvolvido com outro grupo de compositores, uns meses atrás, eu levei pra ela ver e ela disse: “Eu acho que isso se encaixa totalmente com o que estamos falando.” Sobre casamentos e em fazer isso acontecer.

E o resultado foi uma baladona de nível Aretha. Você sabe que ela se entregou e sua performance foi de cair o queixo, quando vi pessoalmente. E isso, eu tenho dito para as pessoas há anos, [essa música] é literalmente a minha música mais favorita de todas que eu já escrevi.

Droga! Isso é muita coisa vindo de um escritor como você.

Sim, quero dizer, eu não estou exagerando, é literalmente … as duas coisas que eu mais esperei era essa música e uma outra que fiz com DeJ Loaf & Leon Bridge (“Liberated”) que saiu na semana passada. Minhas músicas mais favoritas, elas estão sendo lançadas juntas por pura coincidência. Sendo que eu já as escrevi, sabe, há dois anos atrás.

Qual é a sua abordagem para um instrumento como a voz de Christina quando você está produzindo?

Sabe, começar com a música certa. Porque qualquer grande cantor soa 200% melhor quando está cantando sobre algo com o qual se importa. Quando a melodia é desafiadora, ou tem voltas e reviravoltas, você sabe que a música é a ideal para se começar, vai inspirar a cantora a acelerar o jogo. Eu não achava que Christina fosse capaz de ser mais relevante do que ela já é, em você, álbuns, álbuns e álbuns. Mas ela consegue impor seus próprios limites em uma música como “Unless It’s With You”. Francamente, posso tentar me apoiar e treinar ou o que for, mas ela é uma das maiores cantoras vivas, ela é uma diva.

 

Certo, ela é uma grande profissional. Ela sabe o que fazer.

Sim, exatamente. Então para mim é como, vamos acertar a música, vamos deixá-la confortável. E então deixe a Christina fazer isso que ela sabe o que está fazendo. E o resultado é uma loucura. Eu também penso nisso, que esse tipo de vocal, nos estilos de hoje, você sabe, o que você está falando estilisticamente, esse tipo de vocal soa tão, tão novo e tão novo e tão contra o modismo de hoje em dia.

Definitivamente, a primeira música de primeiro vocal e história está fresca hoje no cenário da música. Você diria que a música começou com as letras e com a história antes do som?

Sim, começou com a história, começou com acordes de piano, bem bruto. Você sabe, nós escrevemos isso … foi escrito em uma sala de pessoas bebendo vinho com almofadas amarelas legais e sons de teclados ruins. Foi escrito no verdadeiro sentido de se escrever uma música. Eu não preparei uma faixa ou uma batida para apresentar à ela. Foi realmente nós dois, apenas sentados e falando sobre todas as nossas experiências com o amor. Apenas escrevendo uma música, à moda antiga.

Sim, como você se envolveu com essa música? Christina chegou até você sabendo que você era o produtor certo?

Ela é muito precisa em tudo que ela procura, na verdade, acho que ela ouviu a música “Talk Dirty” e gostou da batida, a música de Jason Derulo, e minha carreira de produtor estava começando e ela só queria me conhecer. Foi tão simples quanto isso.

 

Isso é interessante, porque você está associado com essa assinatura em suas produções, cornetas de metal e grandes linhas de baixo. Existe uma pressão para transmitir esse som em todas as faixas novas? Como você conta com o precedente que você estabeleceu?

Sim, quero dizer, a questão mais comovente e mais recorrente que temos que enfrentar no dia-a-dia, eu digo que significa a minha equipe, enquanto estamos olhando para os projetos. Você sabe, é como se houvesse sempre uma pressão para fazer o tipo de coisa que as pessoas te pedem pra fazer, como eles acharam que você gosta, “Oh, eu amo essa música, você pode fazer algo parecido com isso pra mim”? E é como, “Não! Eu fiz isso por eles. Porque é disso que eles precisavam. Você não precisa fazer o que eles fizeram.” E francamente minha atenção é muito curta para fazer qualquer coisa duas vezes.

Então eu entrei no projeto do seu novo álbum e tentei entregar algumas faixas grandes, bombásticas e baseadas em batidas. Elas eram boas. Elas não eram agitadas. Mas o que eu realmente queria era fazer uma música como “Unless It’s With You”. E ninguém disse: “Ei cara que fez Talk Dirty To Me e Twenty One Pilots, você pode entrar em nosso projeto e nos fazer uma balada de poder padrão-jazz?” Ninguém me perguntou por isso, foi tudo muito discreto, e o que eu queria fazer, porque eu sou tão apaixonado por ela e por sua voz, sou muito grato por ver que a música finalizou o álbum e que as pessoas sentiram a emoção da faixa.

Então você teve essa visão em sua cabeça o tempo todo?

Sim, exatamente.

Como é trabalhar com uma artista do calibre de Christina, neste momento em sua carreira, agora que ela está vindo de uma longa pausa, quando ela está transformando não apenas seu som, mas toda a sua marca? Existe muita pressão aí?

Certo, falo como escritor e produtor, e eu aprendi isso da maneira mais difícil, se você tentar suportar toda essa pressão, quase assumindo muito, pelo menos no meu caso, você nunca fará qualquer música que valha a pena ouvir.

Eu me coloquei no lugar de artistas que vieram antes de mim. Eu fiquei me sentindo meio, “Deixe-me ver a arte, qual é o visual, qual deve ser o primeiro vídeo” e entrei nesse território. E você sabe, aquele com mais pressão, serão os artistas que vendem mais, e aqueles que realmente fazem sucesso, especialmente reinventando-se, como a artista que realmente vai te dar um soco na cara.

Para mim, eu aprendi ao longo do caminho, que devemos começar pensando pequeno. Sair para curtir. Beber um vinho, beber café e simplesmente escrever a melodia que o artista precisa escrever naquele dia. E deixe que começasse por aí e fosse uma arte honesta, uma música honesta. Se você começar por aí, você pode fazer coisas grandes de verdade. Se você começar a ficar preso em qual é a visão, qual é o som, oh não podemos usar essa caixa porque você disse que queria que fosse mais eletrônica, ou não podemos usar esse reverb vocal porque você queria que fosse mais cru. Você sabe o que eu estou dizendo? Como você pode ser pego antes de você realmente fazer algo que significa alguma coisa. Então, eu prefiro apenas tentar aumentar o zoom quando estou na sala com um artista, especialmente alguém como ela.

Como é diferente trabalhar com um artista de legado comparado a um artista super-emergente como Lizzo ou Sofi Tukker, que é quase uma tela em branco comparada a Christina?

O grande segredo é ter a mesma abordagem com todos eles. Tipo, grande e pequeno. E a abordagem é, o que esta pessoa está pensando, sentindo nesse momento. Então, é a mesma abordagem com todos os artistas, e essa abordagem é tratar o indivíduo como um simples indivíduo, não tratando ela como a super Christina Aguilera, como uma porra de uma marca ou não tratá-la como um império ou como uma empresa de mercadorias, simplesmente tratá-la como uma mulher, mãe, amiga, cantora, artista. Como um ser humano comum. Comece por aí e isso também é um pré-requisito. Se alguém entrar na sala e não estiver tentando se deixar ser vulnerável de alguma maneira, então eu não consigo fazer meu trabalho.

Portanto, a vulnerabilidade e a disposição para experimentar e assumir riscos são cruciais para os artistas com quem você trabalha.

Sim, definitivamente, apenas sendo aberto, apenas sendo honesto.

Você trabalha com uma variedade tão grande de gêneros – você estava no estúdio com uma banda punk esta manhã, estamos aqui falando sobre o pop mais mainstream que existe, Phantogram, Leon Bridges. Você ainda vê os gêneros que você está pulando ou é apenas tudo música para você?

Para mim, a coisa toda sobre ser produtor e compositor é, eu gosto de pessoas e conhecer pessoas e fazer novos amigos, e ouvir sobre as experiências das pessoas e também sobre outras coisas, e em quais gêneros essas pessoas gostam, musicalmente, eu não sei, para mim tudo isso só vem em segundo lugar. Muitas vezes eu não serei sempre igual, apenas sou um grande fã da música de alguém, mas eu encontrarei alguém e falarei, “Você é do tipo que toca no rádio. Vamos sair mais, e então nós faremos música durante nosso encontro “. Mas, para mim, é como, se você perguntasse a alguém: “Cara, você tem tantos amigos, todos os seus amigos são personagens tão interessantes e tão diferentes, você já pensou que talvez pudesse ter apenas um tipo de amigo?” Para mim é como as pessoas e eu também digo que tenho déficit de atenção. Então, durante o processo musical, eu gosto de dar uma voltinha. Faço tudo isso para manter o processo interessante.

Então é tudo sobre as pessoas.

Tudo sobre as pessoas.

Quais são as suas esperanças para esta colaboração com Christina? O que você quer que as pessoas aprendam com isso?

Eu não ouvi o resto do álbum, mas quando alguém talentoso trabalha tão duro por tanto tempo, vai ser, tem que ser incrível, mal posso esperar para ouvir. E para minha música, espero que as pessoas ouçam a música que escrevemos com alguém que amamos. Isso deve vir em primeiro, segundo e terceiro plano para mim. É uma música pessoa que, para mim, eu estava cantando para minha esposa. Christina estava cantando para o seu noivo. Espero que as pessoas o ouçam e cantem para alguém que elas amam.

– – F I M DA MATÉRIA – –

Nós aproveitamos para deixar, logo abaixo, o player do Spotify da tal canção. Confira logo abaixo nossa tradução livre para as letras que a música traz. A faixa foi produzida pelo próprio Ricky Reed e conta com os back-vocals de Lauren Evans e Elizabeth Komba. Confira só a tradução da letra:

Nunca precisei me sentir fraca no amor, fora de controle
Nunca precisei abaixar a guarda, ser vulnerável
Nunca precisei me sentir desamparada ou muito acomodada
Eu sempre agi do meu próprio jeito, hey

Eu estive pensando bastante em como as pessoas mudam
Os começos mais lindos podem também se tornar cinzas
É algo inevitável, e é isso que sempre me assusta
Então prefiro ficar sozinha

Eu não quero viver uma vida perfeitinha,
Uma dúzia de rosas e um vestido de casamento
Conto de fadas são felicidades inventadas
Mas aqui nós estamos e eu preciso lhe confessar

Sim, eu estou preocupada, me sentindo confusa
Estou perdendo a cabeça, não sei o que fazer
Pois eu não quero me casar
A não ser se for com você, a não ser se for com você

Você chegou em minha vida quando eu estava tentando achar
Alguém para amar, escondendo o que estava sentindo dentro de mim
Mas você me abriu e agora eu finalmente me dou conta
Eu serei a sua parceira pra vida toda

Nós não precisamos de muitas pessoas
Milhares de pessoas que nunca conheceremos
Apenas eu e você e um casal de amigos
E aqui estamos e eu preciso lhe confessar

Sim, eu estou preocupada, me sentindo confusa
Estou perdendo a cabeça, não sei o que fazer
Pois eu não quero me casar
A não ser se for com você, a não ser se for com você

E ohh, eu sei que isso é assustador
Mas eu sei que tudo isso é verdadeiro, estou dizendo “Eu aceito”
Pois eu não quero me casar
A não ser se for com você, a não ser se for com você

Coração disparado e mãos trêmulas
Me aceite do jeito que eu realmente sou
Por que tudo que eu quero é alguém verdadeiro e autêntico
Para o resto da minha vida, para o resto da minha vida

Você pode me perguntar daqui cem anos
Se eu ainda estaria em pé aqui
Quando formos velhos e idosos, eu responderei que sim
Nosso amor permanecerá, oh, nosso amor permanecerá o mesmo

Sim, eu estou preocupada, me sentindo confusa
Estou perdendo a cabeça, não sei o que fazer
Pois eu não quero me casar
A não ser se for com você, a não ser se for com você

E oh, eu sei que é assustador
(eu sei que é verdadeiro, estou dizendo “eu aceito”)
Pois eu não quero me casar
A não ser se for com você, a não ser se for com você
A não ser se for com você, só com você.

Tradução livre feita por Mário Henrique de Oliveira. Se for compartilhar, é obrigatório os créditos e o link para essa página. É proibido compartilhar esse material sem os devidos créditos. 

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of